26 de dezembro de 2015

UM TOQUE



Aí vai poesia...de minha autoria:


Um toque na flor
É pétala
É amor
Um toque sensível
Na tela do computador.


Num toque das mãos
Muda a imagem
A paisagem
É abracadabra
Da imagem, da ação
É imaginação.


E o livro
A cada página
Num alento
A cada toque
Sente falta do momento
Folheado pelo vento.



Segue o blog...

Um som no sábado

Pra curtir nesse sábado. É muito bom dizer algo ao som de um piano...




Com um toque de poesia, dedico este post a todos que conseguiram dizer alguma coisa e não desistiram ainda do amor...


"Carlos, sossegue, o amor
é isso que você está vendo:
hoje beija, amanhã não beija,
depois de amanhã é domingo
e segunda-feira ninguém sabe
o que será."
Carlos Drummond de Andrade


Segue o blog...

20 de dezembro de 2015

AMIGO SECRETO

CANECA DE NATAL

Era véspera de Natal e a famosa festa do amigo secreto da escola tinha um novo motivo. O combinado esse ano era de presentear o amigo com uma caneca, de qualquer cor ou estampa. Na hora da troca, havia uma caneca vermelha, cobiçada por muitos. Mas quem ficou com o presente foi um professor, que adoeceu e nem compareceu na festa. A mesma foi guardada no armário de louças da pequena cozinha da escola.
No dia seguinte, uma secretária daquele lugar, na hora do intervalo, comeu seu lanche e não resistiu. Naquela tarde saboreou um café com a tal caneca. Escondida dos colegas de trabalho, ela ficou por instantes pensando longe. Há um mês havia brigado com seu noivo, mas ele a convidou para jantar. Aqueles minutos solitários bastaram para ela se decidir. Aceitaria o convite e depois avaliaria a situação. Afastada da rotina da secretaria, do telefone e do atendimento, aqueles minutos do dia foram de grande valia para ela.
Mas, na semana seguinte, a caneca vermelha seguiu viagem na mala do professor. O rapaz conseguiu uma bolsa de um ano para especialização nos Estados Unidos. Ficou alguns dias negociando com sua própria consciência. Esta viagem mudaria tudo em sua vida. Ficaria por muito tempo afastado da família e dos amigos. Quando voltou à escola naquela manhã, com a desculpa de buscar seu presente, conversou com uma professora que teve a mesma experiência. Esta o animou muito a se aventurar e lhe mostrou os benefícios do curso. Aquela conversa foi crucial, saiu de lá decidido a colocar o pé na estrada, no mundo.
Então, lá se foi, ele e a caneca. Mundo afora, agora ela seria internacional. Viajaria para a “terra das canecas”, como vemos nos filmes americanos. Grandes cozinhas, com balcão, diferente das nossas.
Um dia o seu dono hospedou outro professor da escola, que passaria um mês na casa dele. O novo hóspede se apaixonou pela canequinha. Quando o dono da casa saia, ele saboreava um café, ouvindo música. Naquele local pensativo, ele resolveu várias coisas e tomou decisões. Quando nos afastamos da rotina, visualizamos de longe os problemas. Parece que a análise fica mais fácil. Suas lembranças então voaram para bem longe.
Um dia voltou ao Brasil e levou a caneca, como lembrança.
E lá se foi a vermelhinha viajante de volta a sua terra, a velha escola e ao armário de louças. Foi quando apareceu uma secretária que estava grávida. Tinha um desejo de tomar um café bem quentinho e comer pão de queijo com recheio de goiabada. Enquanto saboreava o lanche, reconheceu a caneca, que um dia absorveu seus pensamentos. Casou e estava esperando seu primeiro filho.
Como numa dança, de lá pra cá, de mão em mão. Nunca uma caneca fora tão cobiçada, dando prazer há muitos que se envolveram no atraente cheiro do café. Correu mundo, acompanhando desejos e novos caminhos. E na fumaça que ia subindo lentamente, desenharam-se vontades, sonhos e novas ideias. Em todos os momentos, ninguém trocaria a simples e companheira caneca, cúmplice de seus pensamentos, pela mais requintada xícara de porcelana.


#dicadepresente: presenteie seu amigo com uma caneca. Um dia um saboroso café contará uma história, aterrisando por lá.

Segue o blog...

14 de novembro de 2015

Entre um café e outro...



Entre um café e outro, uma leitura e outra, encontro mais duas palavras para escrever este post e aumentar o meu dicionário da preguiça.
São elas: evolar e enlevar. São parecidas, parece que se enlaçam. Flutuam no ar, feito poesia. Dá vontade de decifrá-las.
Evolar é flutuar, voar. Uma música pode estar evolando suave no ar, por exemplo.
enlevar é prestar atenção, encantar, absorver, maravilhar-se, cativar.
Exemplo: As obras orquestrais e sinfonias enlevam grandes plateias.


Segue o blog...









12 de novembro de 2015

Depois do café: um sorriso







Era uma tarde como essa, muito quente, como muitas sentidas nas primaveras de Porto Alegre ou Poa. Tardes de Feira do Livro. Mas Poa sem acento. Se colocá-lo, fica Poá e esta tarde se transfere para um município do estado de São Paulo, com suas ruas estreitas, praças e muita história para contar. Considerada uma estância hidromineral, a cidade de Poá foi antigamente ponto de parada de tropeiros e viajantes que dirigiam-se à Mogi das Cruzes. Poá é uma palavra de origem indígena, abreviatura de ipiá, que significa "bifurcação de caminhos". Descobri por acaso. Uma vez, coloquei Poa no remetente de uma carta de amor endereçada ao Paraná e o candidato perguntou se eu havia mudado para perto dele. Respondi que a questão era de acentuação. E talvez de limites geográficos...
Mas voltando ao conto. No final da tarde, depois de minha rotina diária trabalhística e após muitos cafés, entrava em casa e lá estava minha diarista. Passando roupas. Camisas. E rindo. Voltava cansada do trabalho, pensando pela rua em alguns problemas e encontrava aquele sorriso. Até hoje me pergunto por que Neli ria tanto ao passar roupa. Principalmente camisas. Enquanto conversava comigo, dava uma parada e continuava a passar. Espichava o ferro na roupa e sorria. Uma gargalhada comprida. Um riso que vinha de mansinho e explodia de repente. 
Hoje, enquanto passo roupa, penso naquela cena de outros tempos. Decerto porque passar roupa faz a gente pensar. Divagar. E tento encontrar a resposta. Enfim, depois de uma longa tarde escaldante, com suor na testa, conclui que ela amenizava os problemas com o riso. Neli ria da vida.



Segue o blog...

6 de novembro de 2015

Divagação de sexta sem café: nossos ídolos




Caminho tranquilamente pela Feira do Livro de Porto Alegre. Escolho a fila para receber um autógrafo. Penso em livros e em passar antes na cafeteria, quando avisto meu ídolo, o músico preferido. É muito estranho e emocionante quando enxergamos tal pessoa. Nossos ídolos. As mãos tremem. Se a xícara de café estivesse nelas teria trepidado. A situação fica complicada. Dá um branco, como dizem. Queremos raciocinar rápido, não perder nenhum grão do precioso tempo. Mas parece que nada dá certo. Incrível como uma pessoa como tantas transforma-se numa preciosidade. E isso não tem explicação. E as coisas que não tem motivo, coisas que acontecem do nada, são as melhores, as mais espontâneas e verdadeiras. Desprovidas de poluição ou qualquer sentimento diferente que as estrague. E então, seguindo meus instintos e movimentos, automaticamente pego o celular e registro o momento, vendo mais tarde que a foto saiu tremida...



Segue o blog...#segueoblog




14 de setembro de 2015

Momento translúcido na cafeteria


Ela caminha entre as folhas secas da calçada até à cafeteria.Tudo nublado em sua volta. A neblina toma conta da cidade de Porto Alegre naquela manhã. O colorido dos letreiros e o cheiro do café a atraem para a lancheria do posto. Tudo amanhece translúcido. Escolhe uma mesa bem no centro do espaço para lanches. Só queria tomar um café. O cheiro do pão de queijo invade o ambiente. Mais um aroma tentador. Mais um pedido para acompanhar o café. Ela olha para a paisagem lá fora. Parece cena de filme. De mistério. Quase um fog londrino na sua imaginação. Câmera. Claquete. Ação. Ali pode começar uma história de mistério ou de amor. De felicidade. Mas de felicidade da boa, não complicada. A vida é simples. Uma pessoa aproxima-se no cenário indefinido e entra na cafeteria. Quando o sol aos poucos ocupar seu lugar na manhã daquele dia qualquer, pode aparecer outra pessoa. E mais outra. O mundo está povoado de pessoas que não conhecemos. Todas entram na cafeteria, sentam para sorver o café e o pensamento voa longe, enquanto olham seus celulares. Cada um deve ter uma história, ainda não narrada e nem contada. 
Nesse momento o som do whatsapp acusa uma chamada. Ela observa a tela. Dá um toque de leve. Um diálogo. Um sorriso. Uma resposta. O momento se desconserta. E esquece por segundos do café...




Segue o blog...

13 de setembro de 2015

Ainda o café...na minha paisagem

   

O café é tão grave, tão exclusivista, tão definitivo
que não admite acompanhamento sólido. Mas eu o driblo,
saboreando, junto com ele, o cheiro das torradas-na-manteiga
que alguém pediu na mesa próxima.

(Mario Quintana)


E ainda...

O mar à beira do qual eu nasci,/ O mar que desde menino me pôs nas veias a inquietação”, ou “brinquei de pegador entre vagões das docas./ Os grãos de café, perdidos no lajedo/ eram pedrinhas que eu atirava noutros meninos...”
(Rui Ribeiro Couto)
Segue o blog...foto de #marisaproducoes



11 de setembro de 2015

Palavra da semana: dicionário de sexta


Não tenho escrito, mas não por preguiça, por falta de tempo mesmo. Aceleramos tudo. E o tempo vem junto. Ficamos pasmos como ele passa rápido. Aquela situação está novamente na nossa frente. De novo! Andamos tão focados e aparentemente distraídos, quando o tempo nos pega de surpresa. A falta que faz o tempo...

Para não perder mais tempo, vamos rechear o dicionário da preguiça. E decifrar uma palavra que apareceu em minha leitura no decorrer da semana: inopino.
Procurei o significado: é algo repentino, inesperado.
Exemplo: Ele estava andando na rua, quando de inopino roubaram-lhe todos seus pertences.
Como as informações que recebemos diariamente. Algumas são lançadas, emitidas de inopino e nos surpreendem. Como o tempo.


Segue o blog...;)

25 de julho de 2015

Som som som...de sábado

Para você curtir... Da banda Nenhum de nós.
Thedy e Roberta Campos.
Foi amor.




Segue o blog...

1 de julho de 2015

O café que virou poema







UM CAFÉ E UM POCKET

Ela estava sentada na cafeteria. Numa solidão quase que egoísta, mas saudável. Naquele dia não convidou ninguém para acompanhar o cafezinho. Queria ficar ali sorvendo seu café e pensando sobre a vida e sobre tantas coisas que aconteceram até o início do ano. 
Enquanto isso, olha pelo tablet as últimas notícias, as atualizações, que ela leva um segundo para assimilar e seguir em frente. Sentada agora na cafeteria daquela galeria, reflete sobre isso tudo. Há um ano prometeu coisas, algumas aconteceram, outras ficaram para o ano vindouro. É sempre assim. Muita coisa acontece em um ano.
Aquela mesa lhe pertence. Olha a plaquinha atrás do café fumegante: mesa três. Belo número. Gostaria  sempre de voltar a mesma mesa. A garçonete esquece o pão de queijo e com uma ruga na testa, confirma o pedido. O pão esquenta no forninho e ela não importa-se com mais nada.
Passa os olhos pela cafeteria e na mesa ao lado alguém come uma torta coberta de chocolate. O pedido da mesa dois tem uma aparência boa, sempre parece ser melhor que o da gente. Procura na bolsa um pocket do Quintana, enquanto mexe o cafezinho e aguarda o pão que vai chegar um pouco atrasado. Na página onze tem um escrito do poeta que se chama "Restaurante" e ela sorri ao lê-lo em silêncio:
"O café é tão grave, tão exclusivista, tão definitivo que não admite acompanhamento sólido. Mas eu o driblo, saboreando, junto com ele, o cheiro das torradas-na-manteiga que alguém pediu na mesa próxima."



Segue o blog...

7 de junho de 2015

Som som som

Comece o dia ouvindo essa música:
Ouça Rod Stewart and Amy Belle...



Rod Stewart é um cantor britânico com ascendência escocesa que nasceu em Londres em 10 de janeiro de 1945. O estímulo musical surgiu na família Stewart.  Rod era fã do cantor Al Jolson, colecionava álbuns, lia livros e o mesmo influenciou no seu estilo. Dono de uma voz rouca, decidiu aprender tocar guitarra aos 11 anos. Conta a história que foi descoberto cantando nas estações de trem londrinas, e que também descobriu a cantora escocesa Amy Belle da mesma forma.
Dessa forma fica gravada mais uma imagem: a descoberta de um talento.
 
 

Segue o blog...

24 de maio de 2015

Uma curiosidade sobre o café

Hoje é o Dia Nacional do Café.
Como o café chegou ao Brasil ...



Em 1727 os portugueses compreenderam que a terra do Brasil tinha todas as possibilidades que convinham à cafeicultura. Mas infelizmente eles não possuíam nem plantas nem grãos. O governo do Pará, encontrou um pretexto para enviar Palheta, um jovem oficial a Guiana Francesa, com uma missão simples: pedir ao governador M. d’Orvilliers algumas mudas. M. d’Orvilliers seguindo ordens expressas do rei de França, não atende o pedido de Palheta. Quanto à Mme. d’Orvilliers, esposa do governador da Guiana Francesa, não resiste por muito tempo aos atrativos do jovem tenente. Quando Palheta já regressava ao Brasil, Mme. d’Orvilliers envia-lhe um ramo de flores onde, dissimuladas pela folhagem, se encontravam escondidas as sementes a partir das quais haveria de crescer o poderoso império brasileiro do café – um episódio bem apropriado para a história deste grão tão sedutor.
Do Pará, a cultura passou para o Maranhão e, por volta de 1760, foi trazida para o Rio de Janeiro por João Alberto Castelo Branco, onde se espalhou pela Baixada Fluminense e posteriormente pelo Vale do Paraíba.
(Pesquisa Google)




Segue o blog... com pausa para o cafezinho.

Remember de domingo

 


Segue o blog...


22 de maio de 2015

Meu som som som

Pra você curtir na quente noite de sexta em Porto Alegre. No veranico de maio.




Segue o blog...

17 de maio de 2015

Dicionário da preguiça: quatro palavras num só texto



Li um texto onde encontrei quatro palavras interessantes.
As quatro:

CONDESCENDÊNCIA: do verbo condescender. Ceder, concordar, aceitar.
URGE: urgente, sem demora.
ESFALFAPADO: cansado, exausto, fatigado.
CARTAPÁCIO: livro grande e antigo, alfarrábio, calhamaço.


Segue o blog...



2 de maio de 2015

Dicionário da preguiça: duas palavras no sábado


Logo cedo, encontro duas palavras para informar o significado.
Não desista, procure entender o siginificado das palavras. Isso vai lhe ajudar a escrever seus textos e redações. Se estiver com preguiça, eu procuro para você.

A primeira é BELIGERÂNCIA.
Significa participação em guerra ou conflito.
Exemplo: Aquele país vive em estado de beligerância.

A segunda é UFANISMO.
O significado é: comportamento de quem se vangloria de algo em demasia.
Patriotismo em excesso. Aparece nomeadamente em competições esportivas.
Exemplo: O torneio é bem disputado mas não podemos cair no ufanismo de que temos a melhor competição.


Segue o blog...


19 de abril de 2015

#remember

Traduzindo...
 
 
"Mesmo eu estando longe,eu sempre vou te amar."
 
 
 
 
Segue o blog...

11 de abril de 2015

Uma palavra em pleno sábado



Hoje amanheci com vontade de desacelerar da semana corrida de trabalho.
Ler um livro, caminhar com calma. Sem estugar o passo.
O verbo de hoje é ESTUGAR.
A tradução é apressar ou aligeirar (o passo) ou andar mais depressa.

Tem uma música que diz...
"Ando devagar porque já tive pressa..."
É linda. Ouça:



Segue o blog...


5 de abril de 2015

Um significado mesmo no domingo

A palavra de hoje: fremente

Fremente é algo que freme. Parece que fiquei na mesma...
Algo que freme é o que vibra, agitado, apaixonado.
Uma paixão pode ser fremente.
Veja essa palavra no poema a seguir:

Ricardo Reis, em "Odes"
(Heterónimo de Fernando Pessoa)

Ansiedade

Quero compor um poema
onde fremente
cante a vida
das florestas das águas e dos ventos.

Que o meu canto seja
no meio do temporal
uma chicotada de vento
que estremeça as estrelas
desfaça mitos
e rasgue nevoeiros — escancarando sóis!


Segue o blog...


31 de março de 2015

Dicionário de terça

Em tempo,  a palavra de hoje é comensal. Algumas definições:

1. Designação do indivíduo que normalmente faz as suas refeições com outras ou outras pessoas na mesma mesa;
Exemplo: Vamos preparar um estrogonofe simples, mas, você sabe: as coisas simples são as melhores da vida, e esse estrogonofe, eu o preparei ontem e extraí suspiros e sorrisos dos comensais agradecidos.

2. (Por Ext.) Indivíduo que frequenta determinada habituação, fazendo frequentemente as suas refeições lá;

3. Sujeito que sobrevive à custa de outras pessoas; também designado por parasita;

4. (Biologia) Denominação atribuída ao ser que existe na situação de comensalismo. 


Exemplo: a anêmona e o peixe-palhaço: O peixe-palhaço e a anêmona-do-mar – Nessa relação, o comensal é o peixe-palhaço, que encontra refugio entre os tentáculos da anêmona-do-mar e alimenta-se das sobras de alimentos dela. Para a anémona-do-mar a presença do peixe palhaço é indiferente.


Segue o blog...





Cinema de terça

Veja o trailer do filme Julie & Julia...



 Essa história é muito legal e me inspirou para ler textos e segui-los decifrando algumas palavras como se fosse um dicionário. Não sei cozinhar e por esse motivo gosto de observar o mundo atual repleto de chefs. Mas de escrever eu gosto. Aproveite essa receita.


Segue o blog...

22 de março de 2015

Control cê, control vê de domingo


O homem e a água

Deixa-me ser o que sou,
o que sempre fui,
um rio que vai fluindo.
E o meu destino é seguir…seguir para o mar.
O mar onde tudo recomeça…
Onde tudo se refaz…


(Mario Quintana - do livro "Os últimos textos de Mario Quintana" - Ed. Artes e Ofícios- pág.26)

Segue o blog...

21 de março de 2015

Outono bate o ponto

 
O "outono austral" tem início no hemisfério sul, a 20 de março e termina a 21 de junho.
 
 
 
 


Hai-kai de Outono

Uma borboleta amarela?
Ou uma folha seca
Que se desprendeu e não quis pousar?

Mario Quintana




Segue o blog...com a minha série de fotos de folhas na calçada de outono, via celular e temperadas com poesia. Haikai é uma forma poética de origem japonesa, que valoriza a objetividade. Os poemas têm três linhas.

19 de março de 2015

Dicionário da preguiça de quinta



Post de quinta.
Hoje, para variar, temos a expressão do dia: a contento.
Significa "segundo os desejos, de forma satisfatória, que cumpriu os objetivos".

Exemplo: Por favor, veja se o texto está a contento.



Segue o blog...


18 de março de 2015

Dicionário da preguiça de quarta




Palavra do dia: tegiversar

Significa inventar vários pretextos, desculpas. Fazer rodeios, fugindo do assunto principal.

Exemplo: Ele não diz nada claramente, só sabe tergiversar.


Segue o blog...




17 de março de 2015

Dicionário da preguiça de terça



Voltamos ao início do dicionário, na letra A.
A palavra do dia é amorfa.
Amorfa é disforme, ou seja, sem forma determinada.

Exemplo: A estrutura estava completamente amorfa.


Segue o blog...

16 de março de 2015

Dicionário da preguiça de segunda



E começa nova semana com novas palavras.
O frio vem aí. O vento vai folheando as páginas do dicionário até a letra l.
A palavra do dia é leniência.
Significa lentidão, suavidade. Excessiva tolerância.


Segue o blog...

13 de março de 2015

Dicionário da preguiça de sexta





Quando chega sexta-feira todo mundo se anima.
É o final de semana que se aproxima, em meio a uma tarde fagueira.

Fagueiro é a palavra de hoje. Siginifica suave, brando, ameno, afável.
Talvez você precise dessa palavra nos seus escritos ou na redação.
Boa sorte!!!!


Segue o blog...



12 de março de 2015

Dicionário da preguiça de quinta

A cidade fremia.

O que é fremir? Para você que está com preguiça de procurar, eis a resposta.
Fremir é estremecer, tremer.


O Poema
"Uma formiguinha atravessa, em diagonal, a página ainda em branco. Mas ele, aquela noite, não escreveu nada. Para quê? Se por ali já havia passado o frêmito e o mistério da vida…”
(Mario Quintana)


E ainda, frêmito é rumor, vibração.


Segue o blog...

11 de março de 2015

Dicionário da preguiça de quarta




A quarta-feira inicia bem cedo, como o amanhecer... com a palavra "albores".
O que é albor? Aurora, alvorada.
Pode ser usado como início, começo. Como na frase: Desde os albores da idade moderna.

Curiosidade: Dez horas e dez minutos. Não é tão cedo... mas é o horário estampado normalmente nas imagens de relógios. O motivo divulgado é que os ponteiros formam um sorriso.


Segue o blog...





10 de março de 2015

Dicionário da preguiça de terça




Bucólico é a palavra do dia. Significa: puro, ingênuo, simples.
Bucólico é relativo à vida do campo ou outra paisagem natural.

As grandes cidades ainda preservam lugares de aspectos bucólicos.
Pense um pouco sobre a sua cidade e encontre em algum lugar essa palavra.


Segue o blog...



9 de março de 2015

Dicionário da preguiça de segunda




Se você tem preguiça de procurar o significado de alguma palavra, venha nesse espaço que o encontrará.
A palavra de hoje é PÍFIO.
O sinônimo de pífio é grosseiro, ordinário, fraco, mero, banal.
Colocando numa frase: "O  trabalho de inglês foi pífio para merecer um diploma."
Ou quem sabe lembrando o futebol do final de semana...
"As tentativas do time para vencer foram pífias."


Segue o blog...

20 de fevereiro de 2015

A poesia dos haikais


Haikai é uma pequena poesia com métrica e molde orientais.
Surgiu no século XVI e se difundiu muito no Japão.
Expressando imagens poéticas, aos poucos foi ganhando adeptos na
inspiração contida em três linhas.

Pra você curtir no verão...


SOM
Sussurro sem som
Onde a gente se lembra
Do que nunca soube.
Guimarães Rosa 
 
PRIMAVERA
Nós dois? – Não me lembro.
Quando era que a primavera
Caía em setembro?
Guilherme de Almeida


Lembrete
Se procurar bem, você acaba encontrando
não a explicação da vida,
mas a poesia da vida.
Drummond
 
 
Segue o blog...

18 de fevereiro de 2015

Som de A a Z/ ESTAÇÃO

Quando ouvi essa música foi amor a primeira vista. 
Curti esse clipe e achei perfeito. Guardei na memória para apresentar hoje a você.
Cada um na sua estação...





Segue o blog no clima...





17 de fevereiro de 2015

Som de verão/ Coisa mais linda

Letra de Carlos Lyra e Vinicius de Moraes.
"Coisa mais linda" na voz de Caetano Veloso.
Ouça essa música...e anime-se para a sexta-feira.

"...nem mesmo a cor, não existe
e o amor, nem mesmo o amor existe."





Segue o blog...

16 de fevereiro de 2015

Verão de A a Z/ Concha




O vento vinha ventando...a chuva vinha molhando...

A chuva muda as tardes e o aspecto do mar, deixando-o com tonalidade variada. Não sei quantos tons tem o mar. Parece que à tarde fica sempre mais bonito, mais limpo, esverdeado. A ressaca traz mais conchas para a beira da praia.




Segue o blog ...

14 de fevereiro de 2015

Verão de A a Z / ESTANTE DE PRAIA - 2



O FIO DAS MISSANGAS, CONTOS DE MIA COUTO.
Lendo a contra-capa:
"São 29 contos trabalhados como em filigrana e unidos como missangas em redor de um fio, que é a escrita de um consagrado fabricador de ilusões."
Nas palavras do autor: "A missanga, todos a vêem. Ninguém nota o fio que, em colar vistoso, vai compondo as missangas. Também assim é a voz do poeta: um fio de silêncio costurando o tempo."


Segue o blog...#euamopoesia.

13 de fevereiro de 2015

Verão de A a Z/ ESTANTE DE PRAIA

Existem livros que moram na estante de praia. Todo ano carregamos novos livros e últimos best-sellers, esbarrando em um livro que ficou lá esquecido.
 Na estante de praia de hoje "Os filhos do Capitão Grant" de Julio Verne, onde a história  tem a origem em uma mensagem numa garrafa lançada ao mar, sendo o ponto de partida de uma expedição que aventura-se pela América do Sul, Austrália e Nova Zelândia narrando a vida do capitão Grant e seus companheiros de viagem.





Veja um trecho:

"O mar estava magnífico; podiam facilmente seguir-se à superfície as rápidas evoluções do esqualo, que mergulhava ou se elevava com um vigor surpreendente. Os marinheiros lançaram uma corda forte, munida de um anzol com um bocado de toucinho. O tubarão, apesar, apesar de ainda se encontrar a uma distância de cinquenta metros, cheirou o engodo oferecido à sua voracidade. Aproximou-se rapidamente. Viam-se-lhe as barbatanas, cinzentas na extremidade, negras na base, bater as ondas com violência. À medida que avançava, os seus enormes olhos salientes surgiam inflamados de avidez."
Julio Verne


O autor viveu sua infância perto do porto e das docas, o que motivou sua imaginação sobre a vida marítima e viagens à terras distantes. Pela família foi incentivado a cursar direito e trabalhar depois como corretor de ações. Mas, com o passar do tempo, ele volta a escrever, pesquisando e aprofundando sua paixão pelo estudo científico.
Olhando o mar, quem já não imaginou receber uma mensagem vinda de um horizonte sem fim?


Segue o blog...pelos mares.

12 de fevereiro de 2015

VERÃO DE A a Z / MALA

É tempo de férias, de desacelerar ou tentar esquecer que relógio existe e não cronometrar as horas. As férias carregam consigo todas as lembranças, todas as malas que fizemos. Achadas, perdidas por esse mundo afora. A cada ano renovamos alguma coisa na mala de praia. Houve tempos de muitas caixas de jogos. De batalha naval. O famoso baralho de cartas praiano está presente sempre. Em novos tempos de informação, carregar celulares e notebooks é um hábito. Estamos online. E sempre haverá tempo de livros.


Segue o blog...

10 de fevereiro de 2015

Verão de A a Z / tatuagem

Marcas. Sintonia. Lembrança. Ela queria ter três tatuagens. Tinha duas pequenas mas antigas. Visíveis. Uma de um lado do pé, outra no ombro. Onde faria a terceira? Então ela dirigiu-se aquela loja, como no programa da tv Miami Ink. Aquilo lhe deixou meio apreensiva. Uma marca muitas vezes é para sempre.
Chegando lá, o tatuador a recebeu com certa simpatia. Deu-lhe catálogos para folhear. Como a achou meio demorada, deixou-a olhando a álbum por instantes e atendeu outra pessoa. Cada um conta um pouco da vida e o motivo por que está ali. Ela nem prestava atenção. Uma lembrança de um antigo amor, dos pais, de um amigo, um fato mais interessante. Tudo é narrado e desenhado calmamente. Aos poucos, todo alcançam um objetivo e saem felizes daquele lugar, levando a lembrança de alguma coisa gravada na pele. Quem olha a tatuagem, muitas vezes ao admirar a estampa, não imagina o motivo que está por trás daquela figura.
Ela desistiu. Levantou e saiu alegando voltar no outro dia. Mas sumiu. Uma semana. Esse foi o tempo suficiente para ele esperá-la, com o olhar cravado na porta, quase tatuado, dia e noite.
Certo dia, o inesperado aconteceu. Ela retornou devagar, como sempre tão calma. Já havia escolhido o motivo da tatuagem. Apontou para a página e ele contemplou um símbolo japonês. Um ideograma. Achou banal. Por que não escolheu um dragão gigante ou estrelas cadentes? Ou uma borboleta para colorir sua vida. Não teriam o jeito dela. E o local da tatuagem? Sugeriu o pescoço, na nuca, escondida pelos cabelos. A surpresa de levantá-los e enxergá-la. Surpreenderiam-se. Ele parecia estar com ciúmes. E assim foi feito o desenho. Com toda calma, de propósito, para mantê-la ali por mais tempo talvez. Na saída, uma pergunta sobre o motivo, o significado do tal símbolo japonês. A resposta foi: talento...
Talento em conquistar, apaixonar. Ela foi caminhando em direção a porta. Talentosamente. Virou-se e lançou um olhar. Tatuou uma mensagem através dos olhos. Desenhou-se o desejo de voltar.


Segue o blog... Em japonês, kanji (ideograma) e irezumi (tatuagem).

31 de janeiro de 2015

VERÃO DE A a Z / SARAU

Muitas vezes a praia amanhece tão digna de um escritor quanto de um pintor. O mar calmo, a paisagem tão tranquila e distribuída entre três navios pesqueiros enfeitam o horizonte perdido marinho. Quantos livros lemos durante as férias na praia. O dia pede que sejam esquecidos todos os best-sellers. A manhã solicita um livro de Manuel Bandeira. Num pocket, chamado "Bandeira de Bolso", escolhi só títulos que lembram o mar, as ondas, a praia, as sereias...e recitei para o mar. Ele parecia adormecer. Fiz um sarau à beira-mar.



Segue o blog e o verão em férias...

22 de janeiro de 2015

Rima de verão


                                                UMA MECHA SOBRE A OUTRA
                                                ANTIGA TRANÇA
                                                DE CRIANÇA
                                                VIRA MODA
                                                TRANÇA O VERÃO
                                                ENTRELAÇADO
                                                EM SEU CORAÇÃO
                                                JÁ TRANÇADO
                                                ENAMORADO
                                                TODO ATRAPALHADO
                                                PRA CÁ E PRA LÁ
                                                NUM RITMO DOBRADO.
                                                                        (Marisa Oliveira)


Segue o blog... na moda verão.

21 de janeiro de 2015

VERÃO DE A a Z / GARÇA X MERGULHÃO

O dia amanheceu  muito bonito aqui na praia.
A disputa pelo almoço é acirrada à beira-mar. As garças caminham calmamente na beira da praia e o mergulhão parece um pato nadando. De repente, dá um mergulho profundo para alcançar o almoço.
Chegamos bem perto deles e podemos observá-los, sem problemas.
Cardápio do almoço: peixe.
Sobremesa: um voo livre pelo fundo do mar.





Segue o blog no horário de almoço do verão...

19 de janeiro de 2015

Ares de verão

Ao lado do sol caminha o vento. Em tempos de praia, ele aparece em todas suas formas. Quando falamos em mar, falamos em brisa. Ela é mais leve, como a inspiração...



O QUE O VENTO NÃO LEVOU

No fim tu hás de ver que as coisas mais leves são as únicas
que o vento não conseguiu levar:
um estribilho antigo
um carinho no momento preciso
o folhear de um livro de poemas
o cheiro que tinha um dia o próprio vento...
 
(Mario Quintana - Quintana de bolso- Pocket da L&PM)


MARISA

Muitas vezes à beira-mar
Sopra um fresco alento de brisa
Que vem do largo a suspirar...
Assim é o teu nome, Marisa
Que principia igual ao mar
E acaba mais suave que a brisa.
(Manuel Bandeira)


Segue o blog, na brisa do mar.

18 de janeiro de 2015

CLAQUETE DE SÁBADO

Um  remember do filme "Duets" e a música "Cruisin" na trilha sonora.
Bela dupla lembrança...






 



Segue o blog...

16 de janeiro de 2015

VERÃO DE A a Z / BIQUINI

 


 PEQUENO CONTO DO BIQUINI BRANCO


Ela decide que usaria o biquini branco. Totalmente branco. Há alguns tempo insistiu com o namorado, que relutou em presenteá-la, mas acabou considerando. Naquele dia ele estava arrependido, alegou estar fora de moda. Agora biquini é por partes. O branco costuma ocupar o frente-mar, tomara que caia. Com a outra parte fazem combinações com listras, floreados ou "petit poá", estampa de bolinhas grandes ou pequenas. E assim, ela desafia os grandes mares. O namorado ciumento acha que a causa estava ganha.
Mas ela não desiste. Caminha firme pela areia e entre as poucas conchas foi até o mar. Molhou os pés, foi o máximo que conseguiu. Refletiu à beira-mar, gosta muito de fazer isso. Refresca o pensamento e volta à areia. Estende uma canga laranja, da cor da moda. Passa mais protetor, acomodando-se com um livro. Dá uma espiada nos e-mails, nada de novo no whatsapp e no front. Enquanto seus dedos regem a telinha, tenta pensar positivamente. Por um lado, não estaria totalmente fora de moda. Ela sente-se retrô, de biquini branco. E isso está na moda. Agrada aos outros, mas não a ela, que prefere sentir-se confortável. O melhor é curtir a praia, sem maiores regras ou preocupações. 
Naquela tarde não houve banho de mar, como em outros verões. No pequeno pocket, o poeta encantava-se com outro mar, um tanto bravo:

"Mar que ouvi sempre cantar murmúrios
Na doce queixa das elegias,
Como se fosses, nas tardes frias
De tons purpúreos,
A voz das minhas melancolias."







SEGUE O BLOG...

15 de janeiro de 2015

VERÃO DE A a Z / CONCHA

PEQUENO CONTO DE PRAIA

O livro que circulava na praia não encontrava o marcador de leitura. As páginas eram desmarcadas pelo vento intenso. Ele precisava de um marcador para continuar. Em meio as ondas, que arrebentavam na praia, lembrou-se das conchas. Muitas vezes incompletas, quebradas, ainda são encontradas em nosso caminho, enquanto caminhamos entre espumas. Acha-se ainda conchas lindas, lembrando a porcelana, com pequenos furos nas bordas. Artesanalmente montaríamos um colar, uma pulseira talvez. Mas com a ajuda da corda de nylon de uma pipa, formou-se um fio, com conchas na ponta, como um marcador de livros. E a leitura continuou. Ninguém mais perdeu-se nos capítulos da história. As conchas fazem trilha na praia, marcam o fim das ondas. Um novo marcador orienta o livro, marcando o fim da leitura.



Segue o blog...

13 de janeiro de 2015

Receita poética

"Poeta é aquele que com sua sabedoria, que vem dos sentimentos, dá sabor as palavras. Com seus poemas, Neruda nos sacia a alma."


Não sei cozinhar ou melhor tento cozinhar. E aprendo observando os chefs.
Apreciem essa receita em forma de poesia...


Ode ao Congrio (Pablo Neruda)

“No mar/ tormentoso/ do Chile/ vive o rosado congrio,/ gigante enguia/ de nevada carne./ E nas panelas/ chilenas,/ na costa,/ nasceu o caldo/ grávido e suculento,/ proveitoso./ [...] Enquanto/ se cozem/ com o vapor/ os régios/ camarões marinhos/ e quando já chegaram/ a seu ponto,/ quando coalhou o sabor/ em um caldo/ formado pelo suco/ do oceano/ e pela água clara/ que desprendeu a luz da cebola,/ então/ que entre o congrio/ e se mergulhe na glória,/ que na panela/ se azeite,/ se contraia e se impregne./ Já só é necessário/ deixar no manjar/ cair o creme/ como uma rosa espessa,/ e ao fogo/ lentamente/ entregar o tesouro/ até que no caldo/ se esquentem/ as essências do Chile,/ e à mesa/ cheguem recém-casados/ os sabores/ do mar e da terra/ para que nesse prato/ conheças o céu.”




Pablo Neruda, poeta chileno, foi um dos maiores poetas da língua castelhana no século XX.

2 de janeiro de 2015

Boa sorte!!

O estudo depende de cada um, da perseverança, força de vontade, garra, interesse e participação. Admiro os que se esforçam e atingem seus objetivos. Quantos bancos de palavras criei pensando sempre em incentivar as pessoas que sei que se dedicam no decorrer de suas vidas. Cada palavra, cada definição não me custava nada, se soubesse que alguma coisa poderia um dia ser aproveitada.
Esse é um sonho que tenho, decifrando as palavras, fazer um dicionário , um arquivo de palavras de fácil acesso online, de uma forma mais prática e criativa. Para os que aproveitam, desejo boa sorte nas provas.
Leiam sempre. A leitura torna-se tão importante quanto o conhecimento que conseguimos através dela.


Segue o blog...

1 de janeiro de 2015

BANCO DE PALAVRAS (5)

 
Não esqueça que a leitura, em qualquer forma, é sempre um passo a mais que você pode dar em sua vida. Não deixe de ler um livro, um jornal, uma revista e nem de consultar um dicionário.



CITAÇÃO: o significado dessa palavra para o uso na redação é "texto que se cita".


"Eu não escrevo o que quero, escrevo o que sou."  (Clarice Lispector)


As citações na produção textual são feitas para apoiar uma hipótese, sustentar uma ideia ou ilustrar um raciocínio. Sua função é oferecer ao leitor o respaldo necessário para que ele possa comprovar a veracidade das informações fornecidas e possibilitar o seu aprofundamento. As citações de filósofos, historiadores, escritores são muito valorizadas.

Como exemplo, no vestibular da Ufrgs uma estudante que tirou nota máxima usou três citações: Claude Levi-Strauss, Manuel Bandeira e Saramago. Ela possuia um caderno com citações, que organizou durante suas leituras. E aí está a palavra chave: leitura. Tudo que lemos, seja em qualquer estilo ou forma, um dia vai nos beneficiar. Existem vários sites com citações para novo conhecimento. De outra forma, a redação pode fluir naturalmente e ter mais valor com citações lembradas de nossas leituras. A criatividade ajuda na hora em que elaboramos um raciocínio que vá além do que está apresentado no texto da proposta.
Através das citações fundamentadas, com comentários, mostramos que lemos e podemos debater assuntos variados para conseguir a melhor redação.


"A palavra é meu domínio sobre o mundo."  (Clarice Lispector)


"Somos duplamente prisioneiros: de nós mesmos e do tempo em que vivemos."  ( Manuel Bandeira)


"Somos a memória que temos e a responsabilidade que assumimos.” (José Saramago)



Segue o blog...